O cisne negro 

Não sou a poetisa eleita

Sou a filha do desdém

Não sou a mulher com quem você se deleita

Eu fui apenas um porém

Sou cisne negro

Que paira sobre grandes lagos

Procurando incansavelmente um ogro

Acabo por pairar em lábios que não são vagos

A cabeleira loira dos trigais

Lembram-me que não és meu cais

Mar morto isento de marés

Não diga que és rosa, se só flor

                                              Gabriela Buraick 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s